Precisa de mais informações?

Entre em contato por telefone, email ou redes sociais.

Quem lê tanta notícia?

Numa época em que cada vez menos gente lê jornais, as empresas de comunicação se perguntam: como ganhar dinheiro? Qual é o modelo de negócio que fará sentido? Produzir notícias custa caro. Mas a geração que hoje tem vinte e poucos anos não está acostumada — nem disposta — a pagar por conteúdo. Além disso, os novos canais digitais provocaram um baita terremoto na forma tradicional de apurar e divulgar notícias. Estamos vivendo uma transição para um novo modelo, um momento de quebra de paradigma, mas ainda não sabemos muito bem o que vem por aí.

No meio de tantas informações, como saber quais são importantes?

Por outro lado, mesmo os maiores críticos ao trabalho do jornalismo compartilham — muitas vezes se utilizando de ocultadores de links, para não dar cliques aos veículos da grande imprensa — conteúdos produzidos por profissionais. Isso acontece justamente porque ainda não inventamos nenhuma solução mais eficiente para manter as pessoas informadas. A imprensa é um negócio, sim. Custa caro, sim. Faz algumas famílias ficarem ricas, sim. Mas também, e gostamos de acreditar que acima de tudo, é um instrumento importante para manter cidadãos a par do que acontece no país e no mundo. Sem liberdade de imprensa, não pode existir uma democracia de verdade.

Por tudo isso, cabe aos profissionais de comunicação pensar em formas de manter a imprensa viva e importante em nossa sociedade.

Dia desses, assisti por webcast a um debate promovido pela ESPM/Rio sobre jornalismo investigativo. Foi interessante ver que muita gente boa, dentro das redações, está buscando essas soluções. Em um momento de mudanças como o que vivemos não dá para esperar por respostas rápidas, mas minha percepção é que estamos conseguindo estabelecer algumas premissas — e elas é que irão ajudar a direcionar as estruturas que irão compor a comunicação do futuro.

Em um mundo exageradamente informacional, em que a sobrecarga de informações é uma causa de estresse, a curadoria (ou, como chamávamos no tempo dos jornais em papel, a boa e velha edição) torna-se muito importante. A curadoria faz as informações ganharem sentido. Os bons jornalistas, nesse mar de dados aparentemente sem fim, organizam conhecimentos, buscam relações entre os fatos, e, principalmente, se preocupam com a veracidade ou, no mínimo, com a plausibilidade do que publicam.

Minha amiga Maiá Menezes, que participou do debate, resumiu muito bem o dilema: nunca tivemos acesso a tanta informação, e por isso os filtros têm que ser mais apurados. Num mundo complexo, cabe a nós, jornalistas, ajudar a contar as histórias, com técnica e com vontade de acertar, ou, pelo menos, de aprender com os erros.

#conteúdo #comunicaçãointegrada #jornalismo

Em destaque
Posts recentes
Arquivo
Navegue por assunto
Nenhum tag.